logo do site

volei
A representação encaminhada pelo vereador Humberto Henrique (PT) pedindo ao Ministério Público investigar o pagamento de R$ 500 mil, feito pela Prefeitura de Maringá, pela contratação de duas partidas de vôlei, foi transformada em inquérito civil. O mesmo evento realizado em Jaraguá do Sul (SC) custou R$ 281 mil.

Em entrevista para a rádio CBN Maringá, o promotor responsável pelo caso, Leonardo da Silva Vilhena, apurou que o município contratou sem licitação a Confederação Brasileira de Vôlei (CVB) e que a entidade terceirizou a execução dos serviços para uma empresa maringaense.

Ouvida pelo MP, a empresa se comprometeu a prestar contas dos valores gastos até o dia 22 de junho. Segundo o promotor, o prazo já venceu e os dados ainda não foram apresentados.

Entenda o caso
Em maio de 2014 Maringá recebeu uma das etapas da Liga Mundial de Voleibol masculino. Ao fiscalizar o valor gasto pelo município com o evento, o vereador Humberto Henrique identificou que a etapa anterior, realizada em Jaraguá do Sul (SC), custou R$ 281 mil. Em função dessa diferença, no dia 3 de junho, o vereador pediu ao MP investigar o caso.

Na época em que apurou a situação, Humberto questionou o volume dos recursos. “A Prefeitura tem dinheiro sobrando para financiar eventos privados, mas não investe nos centros esportivos da nossa cidade que estão todos sucateados e que os jovens ainda têm que pagar para usar as quadras,” criticou.

O vereador constatou que até os ingressos de Maringá eram mais caros. Enquanto aqui custaram R$ 80, em Jaraguá do Sul o valor foi de R$ 40 e R$ 60. Consta no inquérito que, enquanto Maringá não ficou com nenhum centavo da bilheteria, no contrato firmado na cidade catarinense, 40% foi destinado a Fundação Municipal de Esportes.

De acordo com dados constantes no processo, em Maringá os atletas e as equipes técnicas ficaram hospedados em um dos hotéis mais luxuosos da cidade. Com o dinheiro público foram pagas, além da hospedagem, despesas com lavagem e secagem de roupas, frigobar e até a locação de ônibus com quilometragem livre.

No contrato também consta a exigência de contratação de caminhão para o transporte de equipamentos de Jaraguá do Sul para Maringá e, depois, para São Paulo.

Em declaração para a imprensa, a Prefeitura se defende afirmando que não é obrigada a prestar constas, pois apenas contratou o evento e não as empresas que realizaram os serviços durante os jogos de vôlei.

Gelinton Batista / Assessoria de Imprensa




Facebook Youtube Flickr Twitter SoundCloud





ONLINE

Temos 25 visitantes e Nenhum membro online